CHÁ DE CAMOMILA


Precisei de:

  • 1 Papeiro ou 1 panelinha
  • 100 ml de água filtrada
  • 1 sachê de camomila

No primeiro passo coloquei água no papeiro;
No segundo passo selecionei 1 (um) sachê de camomila;
No terceiro adicionei 1 (um) sachê de camomila à água fervente;
No quarto esperei dourar um pouco a água, com a mistura da camomila;
No quinto passo apresento a tonalidade exata para 100 mls, não pode dourar mais do que isso, senão fica forte;
No sexto passo: Retirei o sachê e esperei esfriar.

O ursinho ao lado já está esperando para tomar o chá prontinho, que além de acalmar o bebê na primeira dentição, é muito delicioso.


 

Mas, atenção: Chá forte não pode!
Apresento a diferença do chá fraco para o forte.

 

VARIEDADES SAUDÁVEIS

Oi mamães, oi papais, oi vovós, oi dindas, como vão?
Tenham um excelente dia e se divirtam na cozinha.
Neste blog vocês encontrarão:

Variedade de frutas para bebê e modo de preparo:

 

Papinhas salgadas:


Combinações de alimentos: melão com cenoura, coquetel de frutas, mamão com maracujá, etc...
 

Líquidos adicionais: água de coco, chás, sucos e vitaminas
 

Comidinhas para bebês maiores de 1 ano.
 


Papinhas doces:

 

 Alimentos que são introduzidos de acordo com a orientação do pediatra (ovo, fígado, peixe, etc..)
 

E o resultado: prato vazio! Faz crer que este blog tem maravilhosas receitas para agradar os paladares dos bebês "exigentes".

 

AMEIXA E MEL DE AMEIXA

Está sem tempo para fazer um lanchinho para seu bebê? Que tal uma ameixa raspadinha ou uma banana com mel de ameixa? Vamos conhecer estas duas práticas dicas com as ilustrações abaixo do passo a passo.

Pegue uma ameixa fresca e após a correta higienização, corte-a ao meio e retire o caroço.
Com auxílio de uma colher raspe a ameixa e sirva ao bebê.
Deve ficar bem raspadinha.
Basta uma banda da ameixa para um lanchinho muito saboroso.

 
Banana com mel de ameixa é muito fácil e muito saboroso.

Precisaremos de:
  •  1 banana da prata sem sementes;
  •  4 ameixas secas;
  • água.
Leve ao fogo as 4 ameixas secas e o caldo que se formar com a fervura jogue na banana sem as semestes. 
Despreze as ameixas (ou coma-as, rss)
Para bebês sem os dentinhos, pode-se machucar a banana com o caldo da ameixa (mel da ameixa).
Para os bebê com dentinhos, pode cortar em pequenos pedaços e servir, simples assim.


Compartilhe e deixe um comentário no meu blog de Receitas para bebê: http://comidinhasdebebe.blogspot.com

AS CHATAS COMPARAÇÕES


Você anda comparando seu bebê com outro que, aos seus olhos, parece ser mais forte e mais inteligente?  Você se engana! Seu bebê é tão inteligente quanto o outro.

Essa chata comparação é comum entre as mães, avós e amigos que pode ser ilustrado na seguinte forma: Certo dia vocês vão passear na pracinha e encontram bebês de mesma idade do seu falando em alto e bom tom: “papai”, “mamãe”, alguns já bebem água no copo, outros pulam, andam, correm, dão “tchau”, soltam beijo e batem palma.

Espantada com a cena que você vê, começa a comparar seu bebê, que não faz nada de extraordinário, além de coco e xixi. Até que se aproxima uma mãe (em todos os passeios aparece uma dessa) querendo fazer amizade:

“- ele não anda não é?” – Em tom de pasmo.
Você de imediato responde “– Ainda não.”
Para lhe irritar ainda mais, ela completa “- Ah... o meu andou com 8 meses.” E começa a lhe dá um monte de dicas para o seu andar logo, como se seu filho tivesse uma questão a ser resolvida em análise.

Você retorna para casa, visivelmente “jururu”, achando que seu bebê não é tão desenvolvido e passa o dia inteiro ensinando seu nenê a andar. Você faz isso? Então é preciso entender que cada bebê tem seu tempo, espere o tempo dele e esqueça as comparações. Não deixe que isso atrapalhe seu passeio e o gostoso vínculo com ele.

Pronto, seu bebê deu uns passinhos e então você se encoraja para ir para a pracinha novamente, quando “dá de cara” com aquela mesma mãe do início da história e prefere ir para o lado oposto, evitando sua vã presença. Quando você menos espera aproxima-me outra mãe, das típicas que adoram puxar conversa iniciando assim:
“- Ele dorme a noite toda?”
Você de imediato responde “– Isso existe? O meu acorda 5 vezes na madruga.”
Para lhe irritar ainda mais, ela completa “- O meu desde os 3 meses.” E começa a lhe dá um monte de dicas para o seu dormir a noite toda, como se seu filho tivesse mais uma questão a ser resolvida em análise.

Posso lhe tranqüilizar dizendo que: muitas mães mentem para exaltar suas educações e outras comparam mesmo. Muitas usam de artifícios horríveis como encher a barriga do bebê até estourar de “engrossantes” para o menino não acordar durante a madrugada e outras deixam chorando até esgoelar a garganta, que cansados dormem deprimidos sem o conforto e o ninar delicioso dos pais.

Intervenções como essas exaltam as dificuldades NORMAIS dos nossos bebês. Ele é um bebê, nasceu há poucos meses e tem dificuldade de se adaptar às regras da vida.

Para que você possa entender com afinco, gostaria que, por um momento, imagine que você é um bebê e que estava num conforto absoluto aonde sem esforços lhe chegava o alimento, bailava sobre um líquido aquecido, vivia nu e portanto livre de grudes. Certo dia, sem lhe avisar, uma luz de 1.000 watts clareia sua cara, seu olho arde, quanto mais pisca mais piora o ardor, 6 (seis) mãos lhe pega, duas lhe puxa, passa um pano atritando e irritando seu corpo, lhe coloca de cabeça para baixo, corta seu umbigo, lhe pesa, parada obrigatória para fotos, você chora horrores, sua mãe lhe aperta, estala um monte de beijos na sua bochecha, te dão banho, molha a cara, sabão, toalha, quer mais agressão? Fura a orelha, não satisfeito fura a outra orelha, colocam um objeto estranho na orelha que chamam de argola/brinco, tem que aprender a sugar, hora de tomar vacina, furadas no pé, remédios e soro na veia. Quer mais agressão mesmo, então vamos lá: lhe colocam roupas, tocas, luvas, meias e fralda... na qual o coco fica parado esperando feder para que os pais percebam e façam a troca, sem falar que o coco fica esquentando e colando na sua bunda, o xixi ardendo e assando, lá vem pomada, proteger contra assadura, troca a fralda, molha a bunda novamente, coloca outra fralda, aperta ele, aperta mais, mexe, remexe, vira, veste a roupa, são as regras da vida. Isso tudo é muito difícil e não para por aí, eles tem que aprender a andar, correr, comer de tudo, a dormir, tem tomar banho de sol, e muitos já assistem a galinha pintadinha. É muita informação para absorver.

Sem esquecer que tem que aprender a falar e não é falar o que o bebê quer, é para falar o que as pessoas querem que ele fale: "fala mamãe", "fala papai", "fala eu te amo", "fala mingau", "fala gol do esporte Clube Bahia" e ainda tem que ter o famoso "goooollll do Baêaaaa".

Assim como nós, temos muitas dificuldades na vida, até na adulta, em “ter tato” para falar com as pessoas mal humoradas e que precisamos delas, em saber se comportar no trabalho, em atender uma ligação, tem regras para tudo nessa vida e muitas vezes erramos porque estamos sempre aprendendo.

Essas comparações vão ocorrer a todo o momento, em casa com a família também, será muito comum escutar das avós: “Precisa ver o neto da Deralda já bate palma ele é tão desenvolvido, você precisa ensinar Zezinho a bater palma para ficar bonito nas fotos do aniversário”. Em outras palavras acabou de dizer que o seu não é desenvolvido e sem saber ela (você não vai confidenciar, é claro), que você passa SIM todos os dias ensinando a ele bater palma e mesmo assim, para seu descontentamento, ele não bate no dia do aniversário de 1 ano. Como uma criança vai fazer essa repetição, se tem um monte de gente olhando para cara dele, tem animação, tem palhaço, tem bolo, tem decoração, tem bola, bola, bola e mais bola, tem menino correndo e um monte de gente dizendo “- bate palma, bate palma, bate, bate, manda ele bater palma, bate, bate, bate palma, diz pra ela mandar ele bater palma, bate palma, vai, bate”. Não dá minha gente, calma.

Para que isso? Será que isso mede desenvolvimento? Será que o neto da Deralda é mais inteligente que o seu?

“- Precisa ver o Geraldinho, sabe o filho do Geraldo? Ele é tão grande, bem maior que o Zezinho”.
Como que você quer que seu bebê seja maior que o Geraldinho, se os pais do Geraldinho são altos? Pela genética, logicamente e cientificamente, Geraldinho será maior mesmo que o Zezinho. Se você tem uma pequena estatura não pode comparar seu bebê com bebês maiores, aliás cuidado hein? Se seu bebê for grande e você e seu marido são pequenos... é de se estranhar não acha?

Queremos, queremos, queremos, só queremos. Por que ao invés desses desejos que só maltratam e diminui seus babies, você não busca elogiar no que ele apresenta de mais legal?
Pense no que seu filho tem de bom e ao invés de culpá-lo e exigir que aprendam rápido, dou-te uma dica, não queiram que aprendam nada rápido, aproveitem calmamente cada ano, porque um dia ele criará asas e de sua casa vai embora, se casam, querem independência e raramente farão uma ligação para você, vão te achar chata, velha e retrógrada e darão razão a sua nora, 30 anos a menos de experiência de vida que você. Aproveitem seus bebês calmamente.

Eles estão aprendendo, somente não reproduz o que escutou porque não são papagaio de repetição, eles são bebês e isso mostra muita originalidade e personalidade.

“- Meu bebê não come, ai eu queria que fosse como o Geraldinho que come de tudo”. Se você está nesta situação, nada de comparações, sugiro que acesse meu blog e encontre uma receitinha legal de comida de bebê, se ele não gostar, não tem problema, tenta outra receitinha lá do Blog e calma! Juntos chegamos lá, minhas receitas agradam até os paladares dos bebês exigentes.

Sororidade é a palavra de ordem.

O que é Sororidade:

Sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum.


O conceito da sororidade está fortemente presente no feminismo, sendo definido como um aspecto de dimensão ética, política e prática deste movimento de igualdade entre os gêneros.

Do ponto de vista do feminismo, a sororidade consiste no não julgamento prévio entre as próprias mulheres que, na maioria das vezes, ajudam a fortalecer estereótipos preconceituosos criados por uma sociedade machista e patriarcal.

A sororidade é um dos principais alicerces do feminismo, pois sem a ideia de “irmandade” entre as mulheres, o movimento não conseguiria ganhar proporções significativas para impor as suas reivindicações.

A origem da palavra sororidade está no latim sóror, que significa “irmãs”. Este termo pode ser considerado a versão feminina da fraternidade, que se originou a partir do prefixo frater, que quer dizer “irmão”.
Fonte: https://www.significados.com.br/sororidade/

AS CHATAS COMPARAÇÕES


Você anda comparando seu bebê com outro que, aos seus olhos, parece ser mais forte e mais inteligente?  Você se engana! Seu bebê é tão inteligente quanto o outro.

Essa chata comparação é comum entre as mães, avós e amigos que pode ser ilustrado na seguinte forma: Certo dia vocês vão passear na pracinha e encontram bebês de mesma idade do seu falando em alto e bom tom: “papai”, “mamãe”, alguns já bebem água no copo, outros pulam, andam, correm, dão “tchau”, soltam beijo e batem palma.

Espantada com a cena que você vê, começa a comparar seu bebê, que não faz nada de extraordinário, além de coco e xixi. Até que se aproxima uma mãe (em todos os passeios aparece uma dessa) querendo fazer amizade:

“- ele não anda não é?” – Em tom de pasmo.
Você de imediato responde “– Ainda não.”
Para lhe irritar ainda mais, ela completa “- Ah... o meu andou com 8 meses.” E começa a lhe dá um monte de dicas para o seu andar logo, como se seu filho tivesse uma questão a ser resolvida em análise.

Você retorna para casa, visivelmente “jururu”, achando que seu bebê não é tão desenvolvido e passa o dia inteiro ensinando seu nenê a andar. Você faz isso? Então é preciso entender que cada bebê tem seu tempo, espere o tempo dele e esqueça as comparações. Não deixe que isso atrapalhe seu passeio e o gostoso vínculo com ele.

Pronto, seu bebê deu uns passinhos e então você se encoraja para ir para a pracinha novamente, quando “dá de cara” com aquela mesma mãe do início da história e prefere ir para o lado oposto, evitando sua vã presença. Quando você menos espera aproxima-me outra mãe, das típicas que adoram puxar conversa iniciando assim:
“- Ele dorme a noite toda?”
Você de imediato responde “– Isso existe? O meu acorda 5 vezes na madruga.”
Para lhe irritar ainda mais, ela completa “- O meu desde os 3 meses.” E começa a lhe dá um monte de dicas para o seu dormir a noite toda, como se seu filho tivesse mais uma questão a ser resolvida em análise.

Posso lhe tranqüilizar dizendo que: muitas mães mentem para exaltar suas educações e outras comparam mesmo. Muitas usam de artifícios horríveis como encher a barriga do bebê até estourar de “engrossantes” para o menino não acordar durante a madrugada e outras deixam chorando até esgoelar a garganta, que cansados dormem deprimidos sem o conforto e o ninar delicioso dos pais.

Intervenções como essas exaltam as dificuldades NORMAIS dos nossos bebês. Ele é um bebê, nasceu há poucos meses e tem dificuldade de se adaptar às regras da vida.

Para que você possa entender com afinco, gostaria que, por um momento, imagine que você é um bebê e que estava num conforto absoluto aonde sem esforços lhe chegava o alimento, bailava sobre um líquido aquecido, vivia nu e portanto livre de grudes. Certo dia, sem lhe avisar, uma luz de 1.000 watts clareia sua cara, seu olho arde, quanto mais pisca mais piora o ardor, 6 (seis) mãos lhe pega, duas lhe puxa, passa um pano atritando e irritando seu corpo, lhe coloca de cabeça para baixo, corta seu umbigo, lhe pesa, parada obrigatória para fotos, você chora horrores, sua mãe lhe aperta, estala um monte de beijos na sua bochecha, te dão banho, molha a cara, sabão, toalha, quer mais agressão? Fura a orelha, não satisfeito fura a outra orelha, colocam um objeto estranho na orelha que chamam de argola/brinco, tem que aprender a sugar, hora de tomar vacina, furadas no pé, remédios e soro na veia. Quer mais agressão mesmo, então vamos lá: lhe colocam roupas, tocas, luvas, meias e fralda... na qual o coco fica parado esperando feder para que os pais percebam e façam a troca, sem falar que o coco fica esquentando e colando na sua bunda, o xixi ardendo e assando, lá vem pomada, proteger contra assadura, troca a fralda, molha a bunda novamente, coloca outra fralda, aperta ele, aperta mais, mexe, remexe, vira, veste a roupa, são as regras da vida. Isso tudo é muito difícil e não para por aí, eles tem que aprender a andar, correr, comer de tudo, a dormir, tem tomar banho de sol, e muitos já assistem a galinha pintadinha. É muita informação para absorver.

Sem esquecer que tem que aprender a falar e não é falar o que o bebê quer, é para falar o que as pessoas querem que ele fale: "fala mamãe", "fala papai", "fala eu te amo", "fala mingau", "fala gol do esporte Clube Bahia" e ainda tem que ter o famoso "goooollll do Baêaaaa".

Assim como nós, temos muitas dificuldades na vida, até na adulta, em “ter tato” para falar com as pessoas mal humoradas e que precisamos delas, em saber se comportar no trabalho, em atender uma ligação, tem regras para tudo nessa vida e muitas vezes erramos porque estamos sempre aprendendo.

Essas comparações vão ocorrer a todo o momento, em casa com a família também, será muito comum escutar das avós: “Precisa ver o neto da Deralda já bate palma ele é tão desenvolvido, você precisa ensinar Zezinho a bater palma para ficar bonito nas fotos do aniversário”. Em outras palavras acabou de dizer que o seu não é desenvolvido e sem saber ela (você não vai confidenciar, é claro), que você passa SIM todos os dias ensinando a ele bater palma e mesmo assim, para seu descontentamento, ele não bate no dia do aniversário de 1 ano. Como uma criança vai fazer essa repetição, se tem um monte de gente olhando para cara dele, tem animação, tem palhaço, tem bolo, tem decoração, tem bola, bola, bola e mais bola, tem menino correndo e um monte de gente dizendo “- bate palma, bate palma, bate, bate, manda ele bater palma, bate, bate, bate palma, diz pra ela mandar ele bater palma, bate palma, vai, bate”. Não dá minha gente, calma.

Para que isso? Será que isso mede desenvolvimento? Será que o neto da Deralda é mais inteligente que o seu?

“- Precisa ver o Geraldinho, sabe o filho do Geraldo? Ele é tão grande, bem maior que o Zezinho”.
Como que você quer que seu bebê seja maior que o Geraldinho, se os pais do Geraldinho são altos? Pela genética, logicamente e cientificamente, Geraldinho será maior mesmo que o Zezinho. Se você tem uma pequena estatura não pode comparar seu bebê com bebês maiores, aliás cuidado hein? Se seu bebê for grande e você e seu marido são pequenos... é de se estranhar não acha?

Queremos, queremos, queremos, só queremos. Por que ao invés desses desejos que só maltratam e diminui seus babies, você não busca elogiar no que ele apresenta de mais legal?
Pense no que seu filho tem de bom e ao invés de culpá-lo e exigir que aprendam rápido, dou-te uma dica, não queiram que aprendam nada rápido, aproveitem calmamente cada ano, porque um dia ele criará asas e de sua casa vai embora, se casam, querem independência e raramente farão uma ligação para você, vão te achar chata, velha e retrógrada e darão razão a sua nora, 30 anos a menos de experiência de vida que você. Aproveitem seus bebês calmamente.

Eles estão aprendendo, somente não reproduz o que escutou porque não são papagaio de repetição, eles são bebês e isso mostra muita originalidade e personalidade.

“- Meu bebê não come, ai eu queria que fosse como o Geraldinho que come de tudo”. Se você está nesta situação, nada de comparações, sugiro que acesse meu blog e encontre uma receitinha legal de comida de bebê, se ele não gostar, não tem problema, tenta outra receitinha lá do Blog e calma! Juntos chegamos lá, minhas receitas agradam até os paladares dos bebês exigentes.

Sororidade é a palavra de ordem.


SALADA DE FRUTA DO BÊZÃO

Vamos conhecer a salada de fruta que Bêzão passou a comer quando nasceram os dentinhos. Digo esta condição por conta da mastigação.

Precisei de maçã, ameixa, pera, melão, banana da prata e laranja-lima:



A laranja lima é diferente da laranja normal, ok? Ela é mais doce, menos ácida e mais amarelinha:


Cortei todos os itens em mini cubinhos assim:


Assim, bem pequeninos:


Assim:


                                                         Ao final, adicionei o suco da laranja-lima:



E...


Servi com um adorno bem bonito e atrativo:


Gostaram?


Vem Bêzão, a saladinha que você adora.


Não esqueça de deixa um comentário. Ok?


DICA DA MICHELE: A mesma receita da salada de fruta costumo fazer uma papinha de frutas, basta machucar no garfo que fica numa consistência muito boa. Ou para fazer um coquetel de frutas, basta liquificar e servir na mamadeira ou copo ou colher. Bjokas em vocês e nos seus bebês.


ETAPAS DAS CONSISTÊNCIAS DE COMIDINHAS DE BEBÊ

Até que bebê possa comer a alimentação da casa precisa passar por fases e respeitar a dentição da criança. Já escutei mães dizer que dão arroz inteiro para bebê que nem tem dente. Não considero esta atitude um mérito e sim um desperdício. Para evidenciar o desperdício observe que na fraldinha o arroz estará inteiro, ou seja, não houve a mastigação, consequentemente o alimento não foi aproveitado.

A frase de hoje é: Não adianta pular a fase do bebê, criar filhos exige calma.

  • RN - 1 - 6 MESES 
Nos primeiros seis meses, o bebê se alimentará exclusivamente do leite materno, todavia na ausência deste, pode ser fornecido o leite indicado pelo Pediatra. No primeiro quadrinho abaixo constam potinhos de leite materno, que meu bebê tomava quando eu estava no trabalho. (Não tive 6 meses de licença).

  • 6 - 7 MESES

Com 6 meses e 1 dia, Bêzão iniciou os alimentos assim: começou com as papinhas de sabores doces e logo em seguida com as salgadas. Pode-se começar com maçã raspadinha, o bebê faz uma enorme careta, mas pedirá mais logo em seguida. Vale fornecer pera, suco de laranja, água de coco, água, suco de tomate e várias outras receitinhas que podem ser encontradas neste blog, nos arquivos ao lado.
Quando a papinha doce estiver aprovada, comecei a fornecer as papinhas salgadas, como por exemplo, batata com cenoura, depois aumenta as verduras gradativamente, acrescneta o quiabo, por exemplo.
Quando a papinha principal estiver aprovada, é o momento de usar os temperos, alho, pimentão, cebola e tomate e coentro.
Logo em seguida, é chegada a hora de inserir as proteínas carne e frango somente para dar sabor à comida que, após o cozimento, deve ser retirada da papinha.

  • 8 - 9 MESES

Chegou o momento de acrescentar 1/4 de gema de ovo (mudança, em 2016 pode-se usar o ovo inteiro). O bebê não pode comer clara de ovo e nem uma gema inteira de primeira vez  e existe uma regrinha básica a ser seguida. Acesse meu arquivo e verá a postagem Gema de Ovo para bebê
A carninha já pode ser adicionada à papinha na forma machucada ou triturada.
  
  • 9 - 10 MESES
Tentar outras opções de grãos, como por exemplo, feijão verde, grão de bico, é o momento que a mamãe já conhece o que seu bebê aprova. Para Bêzão, comecei a usar copo de treinamento. O canudo também é bem aceito nesta fase.

 10 - 11 MESES

Comece a deixar a consistência mais grossa, preparando o bebê a comer as comidinhas de casa.
Sobre a introdução do peixe e fígado, consulte o Pediatra do seu bebê.

>= 1 ano
Pode comer peixe fresco.
O bebê já pode comer a comidinha da casa, em pequenos pedaços, ele começará a exigir mais porque o paladar vai se modificando. Vale tentar dar a colher para ele tentar comer e vale de sujar.

A adição do sal e açúcar deve perguntado ao Pediatra.




QUIABADA PARA A BEBÊ DA AMANDINHA

Olá Amanda, recebi seu elogio e adorei seus comentários, principalmente porque disse-me que colocou nosso blog como página principal, você não tem idéia como está sendo gratificante para mim.
Em retribuição, fiz uma receitinha especialmente para você e sua bebê de 8 meses:

QUIABADA PARA A BEBÊ DA AMANDINHA

A quiabada é um ótima refeição para bebês de 8 meses e para as mamães que podem comer a mesma refeição, em conjunto com o bebê.
  • Dica 1: Prefira os quiabos orgânicos;
  • Dica 2: Precisaremos saber escolher o quiabo. Devem ser novos e ao tentar quebrar a ponta deve soltar do quiabo;
  • Dica 3: Quanto mais verde e pequeno, melhor.

Precisaremos de:
  •  Temperos: tomate, coentro, cebola, cebolinha, alho e pimentão
  •  Quiabo;
  •  Carne, pode ser músculo ou patinho.





Corte o quiabo em cubos, assim:

Para cozinhar, basta juntar todos os itens em uma panelinha com água.
     
Prontinho, a refeição está pronta:


Se o bebê não tem os dentinhos, triture com garfo.
Se preferir adicione arroz integral cozido, ficará muito saboroso.


Amanda, espero que você tenha gostado da receitinha e espero sua visita sempre que puder. Boa sorte para você e sua bebê. 

O QUE FAZER?

Você acabou de receber um convite para almoçar com a família e amigos e de jeitinho você pergunta o que terá no almoço, tipo...quer que eu te ajude na cozinha, vai fazer o quê? Bom.. como fui para casa de minha irmã, sem cerimônia pergunto logo: vai ter o que para comer? A resposta foi Salmão...eita.. e agora? Quero muito ir a este almoço e aonde vou levo meu bebê. A pediatra dele não aprovou ainda comer salmão e agora? O que seu bebê vai comer? Você já deve ter pensado, passo numa farmácia e pego uma papinha pronta... na na ni na não dona Moça. Vamos fazer a comidinha do nosso bebê mesmo em dias de passeio.

O convite chegou no mesmo dia, então preparei os seguinte itens para levar:

Filé de peixe, macarrão integral (gravatinha), temperos, alho, abóbora, chuchcu e batata doce



 E.. é claro nossa bike:


Vamos embarcar nessa viagem?

1/3 alho no filé de peixe


Foi ao  fogo, sem óleo

 


Todos os temperos cortados com o macarrão integral e a lentilha



 Assim:
Água neles


Fogo neles

 

Cozimento a vapor: chuchu, abóbora e batata doce
 Quando prontos: 

  

A disposição da imagem acima foi só para esta postagem porque nós amassamos a comidinha dele, senão ele não come, ainda mais que os dentinhos do fundo estão saindo. 
 
 O nosso salmão do início da histórico ficou sem sal e seco e a comidinha de bebê foi a solução para todos e aprovação total.

Gostou? Então deixe um comentári, please.

Ah, não esquece de dar um cheiro bem gostoso no seu bebê para mim!
BEIJOSSSSS




PARA OS PAPAIS QUE TEM BEBÊ EM CASA

A laranja-lima é indicada para bebês  porque são mais doces e menos ácida.
Geralmente quando estamos em casa, amamentando e ocupadas com as tarefas de ser ter um bebê em casa, incubimos aos nossos maridos comprar as frutas e verduras do bebê, prontamente eles se dirigem ao mercado e no lugar de açúcar traz farinha, no lugar batata traz mandioquinha e quando solicitamos laranja-lima nos chega laranja. O bebê recusa porque ainda tem o paladar muito exigente.
Se você está nessa estatística de confundir laranja com laranja-lima, vamos conhecer as diferenças

As três primeiras são amarelas, menos ácidas e mais doce - Laranja-lima
As duas seguintes são esverdeadas, menos doce e mais ácida - Laranja normal

 


Por mais que uma laranja seja madura, ela não será totalmente amarela.
Na imagem abaixo, temos uma laranja.

 

Agora.. uma laranja-lima



Vamos ver se você acerta?

1
 


2
  
Qual é a 1? Qual é a 2?


Obrigada pela visita, deixe um comentário no meu blog e boa sorte a todos os papais que confundem laranja com laranja lima.

ENTRE, ESTEJA À VONTADE


Este blog é destinado a mamães, papais, vovós, dindas e titias preocupadas com a alimentação dos nossos pequenos. Tem o objetivo de compartilhar receitas práticas e nutritivas com imagens que ilustram o passo a passo. Tenho o prazer de dar as boas vindas e pedir que se sintam em casa navegando neste blog, verás como é fácil descomplicar a cozinha e se dedicar a fornecer alimentos saudáveis, feitos no dia para nossos bebês. Garanto que deixarão de usar as papinhas industrializadas com uso de conservantes, aromatizantes e demais itens prejudiciais a saúde dos nossos pequenos. A praticidade das papinhas industrializadas de hoje poderá ser a dificuldade do amanhã.

Bêzão nunca rejeitou nenhum suco/vitamina/papinha e isso se dá à sua rotina de atividades, um bebê que gasta energia terá vontade de comer. Para um bebê comer direitinho, tem que se exercitar conhecendo novos lugares e ser feliz. Mas não é conhecer somente no colo, em certos momentos tem que ir para o chão. Ok?

Após uma alimentação nutritiva o prepare para se dedicar a ele. Se falta de tempo é desculpa, então está na hora de você rever seu trabalho, sua vida, sua casa, seu estilo de vida, os nenês não pediram para vir e depende exclusivamente de você. Esse vínculo é importantíssimo para o futuro deles. Posso dizer que trabalho 10 horas por dia, mas uso as noites, feriados e os finais de semana para me dedicar a ele. Quando Bêzão nasceu saí da minha linha de conforto e busquei ser mãe, não largando mão de voltar a ser criança também, nós desenhamos muito, caímos no chão, pulamos, dançamos demais, vamos a uma briquedoteca muito, muito legal que tem aqui em Salvador e se chama: Malubambu, um atendimento maravilhoso, enquanto que eles tem o contato com outras crianças através das atividades infantis e nós, com outras mamãe, compartilhamos as dificuldades e os encantos. Estando em Salvador e caso esteja sem idéias para atividades e locais para nossos pequenos, acesse o site Pequenópolis que dará dicas do que fazer nos finais de semana. Já levei Bêzão no museu da criança (Patamares), na praia, na piscina, em diversas praçinhas, na casa de parentes, amigos, no zoológico, no playground da casa das amigas e irmãs, com isso, Salvador está ficando pequenos para nossa energia, rssss. Estamos indo para Vilas, já fomos para Santo Antonio de Jesus, para Ilha de Itaparica e em breve vamos a Curitiba conhecer as belas praças e o gigante parque temático Beto Carrero. Ah já ia esquecendo, comprei uma bike com cadeirinha, além da mamãe malhar ainda leva o baby para passear, eles adoram o passeio.

Isso garante uma criança inteligente e comunicativa e... Gastando energia comerá com facilidade. Pense nisso! Além de criar um vínculo maravilhoso.

Agora... me faz um favor? Dá um beijinho bem apertado no pezinho do seu bebê para mim, depois deixe um comentário e divirtam-se!